quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Um belo dia você acorda com uma dor no pescoço. Uma dor nas costas. Seus olhos ardem. Seus músculos ardem. Você tem dificuldades para se lembrar das coisas, você tem dificuldades para acordar. Você tem dificuldades para dormir, para engordar, ou emagrecer, dificuldades em chegar de um ponto ao outro, dificuldades em chegar ao ponto, você perde o ponto, perde tempo. ganha rugas.
Os dias passam, você respira fumaça, bebe água contaminada. Queima a pele do seu rosto pelos raios catódicos do monitor, acende um cigarro, se pergunta até que idade você vai sobreviver.
Pensa em se mudar para o interior. Pensa em parar de fumar. Pensa em comprar roupas novas. Pensa em matar alguém.

Um belo dia você acorda e se dá conta que está cansado.
Você se cansa da cidade, dos carros, das luzes. Você se cansa do lixo, das pessoas, do barulho. Se cansa de não saber para onde ir, se cansa de não ter para onde ir e precisar ir para algum lugar.
Você se cansa de não ter razão, de não ter caminhos, de não ter opções, se cansa de ver sua vida igual a de todos os outros, se cansa de ser de um rebanho sem pastor.
Você se cansa de chefes, deuses, impostos, moda, dinheiro. Você se cansa da sensação de estar desperdiçando seu tempo, você se cansa de não ter tempo algum para disperdiçar.
Você se cansa de viver em um mundo onde quem não está desesperado, está louco. Você se desespera com medo de enlouquecer. Respira fundo, acende um cigarro.
Você se cansa de não saber exatamente do que está cansado. Se cansa do "alguma coisa está errada" que paira sobre o ar desde uma época que você não se lembra.
Se cansa das avenidas, das ruas, das alamedas, das praças, do sol, dos postes, das placas de sinalização, das buzinas.
Você se cansa de amores incompletos, de amores platônicos, de falta de amor, de excesso disso e daquilo. Se cansa do "apesar de". Se cansa do rabo entre as pernas, da sensação de estar sendo prejudicado, se cansa do "a vida é assim mesmo". Você se cansa de esperar, de rezar, de aguardar, de ter esperanças, cansa do frio na barriga, cansa da falta de sono.
Você se cansa da hipocrisia, da falsidade, da ameaça constante, se cansa da estupidez, da apatia, da angústia, da insatisfação, da injustiça, do frenezi, da busca impossível e infinita de algo que não sabe o que é. Se cansa da sensação de não poder parar.

E você não para, até que esteja morto.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Insônia

Um copo de coca-cola ao acordar, 6 xícaras de café, uma torrada com manteiga, meio omelete, um gosto esquisito na boca e a sensação de não estar realmente acordado.
Se seu dia começa assim, ele provavelmente nunca terminará. Pelo menos era a impressão que dava. Ou a impressão que ainda dá. A impressão que o dia não acaba nunca. Que o ano passa num dia só, um dia muito longo e você com a sensação de não estar exatamente acordado. De repente tudo está amortecido. Você não percebe quando começa, e não tem previsão de quando termina. O tempo passa de forma peculiar. Você vê o sol nascer. E vê o sol nascer de novo. E vê o sol nascer de novo, e vê o sol nascer de novo.
Você liga a cafeteira.
Você espera. Acorda de tarde na cama com a cafeteira desligada. Acorda quando todos os prédios estão com as luzes apagadas e você só ouve buzinas distantes de algum outro lugar onde há pessoas acordadas enquanto os prédios estão com as luzes apagadas ouvindo buzinas distantes de algum outro lugar onde há pessoas acordadas enquanto os prédios estão com as luzes apagadas. A impressão que o dia não acaba nunca.
Você não percebe quando começa, e não tem previsão de quando termina. Uma sensação constante de déjà vu. De repente tudo está amortecido, e você ouve as buzinas distantes, a geladeira, olha o calendário, pergunta a si mesmo se já não tinha olhado antes, porque tinha certeza que não era quarta-feira. Você faz notas mentais. Lembrar que é quarta-feira. Se o dia começar assim, ele provavelmente nunca terminará.
As buzinas se misturam com o zumbido que se mistura com o gosto ruim na boca que se mistura com o café que se mistura com o calendário. Quinta-feira.
Pelo menos era a impressão que dava. Você tenta se lembrar das notas mentais, porque tinha certeza que era quarta-feira. Não é exatamente confusão, não é exatamente preciso, e você não está exatamente acordado. Pelo menos era a impressão que dava. Ou a impressão que ainda dá.
Um copo de coca-cola, 3 xícaras de café, os ovos acabaram. Você faz notas mentais de que precisa comprar ovos. E lavar a louça. Sexta-feira.
Acorda a noite na cama com a cafeteira ligada. Acorda com a janela aberta e a luz da lua amortecida por outras luzes de prédios de algum outro lugar onde há buzinas e cafeteiras desligadas. O tempo passa de forma peculiar. As notas mentais se misturam com o zumbido que se mistura com o gosto de café na boca que se mistura com a janela aberta e você se pergunta se hoje ainda é quinta-feira. Tem ovos na geladeira. O tempo passa de forma peculiar. Domingo.
Para onde foi o sábado? Você se pergunta se foi ao mercado na sexta-feira.
A impressão que o dia não acaba nunca e você não está exatamente dormindo. A impressão é que o ano passa num dia só, um dia muito longo e você com a sensação de não estar exatamente acordado.
Estamos em 2010. Você não percebe quando começa, e não tem previsão de quando termina. Uma sensação constante de déjà vu. Domingo.
Você acorda quando quase todos os prédios estão com as luzes apagadas e você só ouve buzinas distantes de algum outro lugar mas vê uma janela com a luz acesa do outro lado com alguém olhando para fora. Você olha para fora, olha para o outro lado mais longe, com a janela acesa, e faz uma nota mental.