quarta-feira, 13 de maio de 2009

Por que eu mereço uma semana de graça no Pto?


Bom, para começar, eu nunca fui à escola. Sério. Então eu ficava em casa 24 horas por dia, e tinha poucos amigos.
Hoje trabalho como colorista de histórias em quadrinhos, para uma editora americana. Comecei desenhando em cima da máquina de costura da minha mãe, uma Singer de 1950 (a máquina, não minha mãe).
Passaram-se anos e anos e eu continuo na casa da minha mãe, só que agora tenho um monitor grande e tenho uma tablet. Minha mãe continua meio xarope. E eu tenho muito trabalho pra fazer, e prazos apertados para entregar. O problema é - Minha mãe ainda exerce certa autoridade (também conhecida como ganhar no grito) - , o suficiente para fazer eu levantar da minha mesa para tirar roupas do varal, parar de trabalhar para gravar DVDs das novelas coreanas que ela assiste, largar meus prazos para lavar o quintal ou dar banho nos cachorros, e ainda por cima usa meu celular. Antes que alguém me censure, saibam que eu gosto da minha mãe. Mas não dá para trabalhar e morar com ela ao mesmo tempo, e também não dá para alugar uma outra casa ainda sozinho... mas os prazos não ligam muito para esse fato, então eu tenho que fazer mesmo assim. Uma das soluções foi não dormir de madrugada, e aproveitar para trabalhar enquanto todos estão dormindo... mas isso me transformou num zumbi acéfalo e não quero mais isso para a minha vida.
Ou seja, eu mereço uma semana de alívio no Pto de Contato, só para ver que ainda há esperanças no mundo.
Obrigado.