segunda-feira, 9 de março de 2009

Poker Face

Quando as palavras lhe faltam, a melhor coisa a fazer é calar a boca.
Quanto mais você tem a dizer, menos palavras ocorrem. Quanto menos você fala, mais você pensa.
Quanto mais você pensa, mais coisas você tem a dizer. 
É um paradoxo perfeito para levar você contra você mesmo. Aquele tipo de sabotagem que fazemos a nós mesmos quando temos alguma oportunidade. O auto-flagelo. A força sedutora de se ajoelhar. Jogar nas mãos de Deus.
Bem, se você fizer isso, você está fodido. Se não fizer, também está. Estamos todos fodidos, de qualquer forma.
Não é o fim do mundo.
Temos medo de nos foder. De falar a coisa errada. De não falar nada. Temos medo de comprometimento, medo da solidão, medo de magoar e medo de ficarmos magoados.  Temos medo de pensar demais, de não pensar em nada, de perder. Medo de ganhar e não ser o que queríamos. Medo de descartar. De fazer a próxima jogada.
Você faz uma aposta e não paga pra ver. Blefa até todo mundo perder, e quando você se da conta, nem participou do jogo.
Poker face.
Chega uma hora que você acha que aprende com seus erros, mas não percebe que aprende apenas a não errar de novo. Acertar nunca. Blefar blefar até todo mundo errar e você sair invicto.  Não errar de novo consiste no próprio erro. Um desses paradoxos perfeitos pra nos fazer ir contra nós mesmo. 
O medo de tentar. O medo de pensar errado fez com que nós parássemos de pensar. O medo de falar a coisa errada, nos tornou mudos. O medo de ver algo que não queremos, nos deixou cegos. O medo de fazer a coisa errada, deixou-nos estáticos.
Assim, medrosos, vazios, surdos, cegos e amputados.
E pensar que a gente se fode de uma forma ou de outra.
O medo de fazer algo se tornou parte de nós. Uma verdade que ninguém assume, mas que faz parte de todos.
Um dia vou fazer uma tatuagem. Um dia eu vou sair e pescar. Um dia eu vou beijá-la. Um dia eu vou aprender a pilotar uma moto. Um dia eu vou ser exatamente quem eu sou, sem precisar vestir este paletó. Um dia todos nós vamos morrer, e esse é o único dia que chega com a mais absoluta certeza. Você vive e sente que tem esse algo de errado.  Essa atmosfera de vontade reprimida. Aquelas palavras não ditas que devoram você de pouco em pouco. Os dias passam e você está com aquela sensação de que tinha que fazer algo mas não sabe o que é. Nem lembra mais. Aquilo perpetua. Vivemos o agora pensando no depois, sem fazer nada durante o agora e consequentemente não acontecendo nada no depois. Não fazemos nada, para evitar os acontecimentos ruins que fazer algo pode acarretar. Como se nada, fosse bom. Na falta de bom, a ausência de tudo é melhor que a presença de algo ruim. É assim que se desce.
Já que sempre pensamos na consequência, é sempre bom lembrar que no final, tudo que você faz, é tudo o que você fez. Tudo que você diz, é tudo que você disse.
Mas quando as palavras lhe faltam, o melhor é calar a boca.
E fazer alguma coisa antes que o jogo acabe.

9 comentários:

Chrystal Méndez disse...

Pra não estragar o momento, esse arrepio que eu tive ao ler, vou me calar.

Thalita Covre disse...

Percebo em seu relógio lógicos ponteiros nietzschianos...

Para não parecermos ridículos recorremos ao silêncio. Quanto mais falamos mais ficamos expostos aos dentes, e quem quer se machucar?!

Quanto mais falamos mais pessoas nos ouvem? e quase nada acontece.

Somente o óbvio, sempre o eterno retorno do mesmo. Um ciclo interminável de percepções e identificações que não nos levam a nada.

Se eu dissesse que este post mudou minha vida nos enganaria simultaneamente... digo apenas que a identificação é como o medo e o silêncio, paraliza.

Priih # disse...

Noossa, me super identifiquei nesse post :S falou tudo. ' Para não estragar esse momento, esse arrepior que eu tive ao ler,vou me calar'²

NaNa Caê disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jpessoa disse...

Temos medo de comprometimento, medo da solidão, medo de magoar e medo de ficarmos magoados.

Aline disse...

Genial, é trágico!

Pra estar sem ser: disse...

''Você faz uma aposta e não paga pra ver. Blefa até todo mundo perder, e quando você se da conta, nem participou do jogo.''


tão bom por um momento simplificar a humanidade,e depois que a natureza nos deixa penetrar no prazer(e a gente penetra tão fundo sem saber),a verdade se esvai,sorrindo sensual sem amar ninguém,nos fazendo acreditar que somos loucos...

Yerecê Pereira disse...

São questões que sempre estão presentes em minha vida... mas na verdade, não se trata só do conteúdo, mas na forma e cadência que vc escreve. Parabéns, adoro ler vc! E ouvir tbm =P Não pq vc é polêmico, pq isso é fácil, mas pq vc transforma a VIDA em arte. E isso me inspira. =)

Super Escritor disse...

Mais do que perfeito é esse texto.