quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

13/02/2009

Tenho trabalhado bastante.
De dia, de noite.
Eu não trabalho exatamente para ganhar dinheiro. Eu tinha um objetivo maior de me tornar alguma coisa que o dinheiro não podia comprar porque na época eu não pensava em dinheiro. Ultimamente eu penso mas na falta dele, ou as vezes em ganhar na loteria e me encher dele de uma vez só e me tornar uma pessoa que compra tudo com o dinheiro e não precisa se tornar nada.
Não que o objetivo tenha se perdido, ele está aqui em algum lugar embora não tenha muita forma e seja dificil de discernir.  Não penso mais em objetivos. Depois de um tempo as coisas começam a perder a forma. Olhe muito pra alguma coisa até você deixar de vê-la e se pegar pensando no se seu cachorro enxerga em preto e branco ou colorido.
Eu troquei o dia pela noite.
Antes eu lutava contra o sono, quando eu parei de lutar eu venci. O corpo levemente dolorido, a sensação do ácido lático borrifando nos seus músculos flácidos do sedentarismo, as superfícies dos seus membros formigando pela falta de circulação sanguínea, suas palpebras descendo involuntariamente e um gosto adstringente de café amanhecido nas papilas gustativas do fundo da sua língua.
Tudo isso se foi.
Depois de um tempo as coisas começam a perder sua forma. O sono chega quando eu me deito. O café é sempre doce e reconfortante, se você se lembrar de não ferver a água antes de passar no coador.  A noite é quieta. As pessoas dormem. Os cachorros dormem, os peixes dormem, a cidade dorme.  Os que não dormem trabalham para um objetivo que esqueceram, se embebedam,  estão tentdo orgasmos ou qualquer outra coisa que faça ter alguns momentos sólidos de individualidade sem sentido. Existir por existir. A gente faz o que pode. A madrugada tem um cheiro fresco, é toda lâmpadas e aviões e táxis e pessoas relativamente perigosas e outras pessoas perigosamente frágeis perambulando indo umas atrás das outras, fazendo entregas, rindo, pensando na vida ou não pensando em nada e todas escutando um chiado desértico e a própria palpitação quando o semáforo fica vermelho.  30 segundos de respiração, ar gelado entrando pelas narinas inundando os pulmões, olhando para o console do carro, para as faixas na rua, para os mendigos, para a luz acesa num apartamento com uma leve curiosidade em saber porque aquela pessoa está fumando na sacada naquela hora.

Na madrugada todo mundo vira poeta, as coisas funcionam de forma diferente porque é nessa hora que as coisas começam a perder a forma.

5 comentários:

manda.di disse...

adoreei *.*
pq é na madrugada q as pessoas fazem coisas sem sentidos...sempre tentando procurar algo q as conforte..pq o pc escreve beem xD e disse o q eu penso *.*

louise disse...

paixão

NaNa Caê disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriela Sifuentes disse...

Ah, a madrugada!
Delicada e afiada, como tem que ser.

A última frase deu um frio na barriga delicioso aqui, obrigada. (:

Carol Ferrari disse...

E agora que você tem dinheiro, o que você faz???